Bambu Mossô Planta Ornamental

O Bambu mossô é um tipo de bambu que possui rizomas leptomorfos, ou seja rizomas de bosques que nada mais são do fato de não formar touceiras como a maior parte dos bambus, permite que as pessoas consigam andar pelos espaços abertos. Os que formam estas touceiras possuem um rizoma paquimorfo.

A planta que é originária da Ásia, mais precisamente da China veio para o Brasil durante a colonização, em uma razão pela qual é possível o encontrar em diversos locais do país, sendo assim ele se adapta aos mais diversos climas e também as mais variadas atitudes. A sua floração poderá dificilmente ser vista. Neste tipo de espécie, que ocorre a cada 67 anos. Algumas outras espécies poderão demorar mais de cem anos para viver. É possível se perceber logo depois de sua floração que todo o bosque ou mesmo touceira morre por se gastar todos os seus nutrientes.

Tipos de solo para cultivo do bambu

O bambu mossô prefere muito mais solos que são bem permeáveis e férteis, principalmente quando são novos. Se desenvolvem melhor em sol pleno porém toleram interiores. Desde que é claro que estes sejam bem iluminados. As regas das plantas deverão ser realizadas semanalmente, e a planta deverá se reproduzir pela emissão de novos colmos pelo rizoma, que deverá interligar muitos colmos entre si. Por este motivo os primeiros colmos são mais finos, e a medida que eles aumentam sua grossura e altura também aumentam. A sua grossura de base da nova brotação deverá ser sua grossura definitiva e assim que se soltar as primeiras folhas não deverá mais crescer em altura.

A planta desenvolve dificilmente seus rizomas quando é plantada em vasos de interiores. Quando são plantados em jardins, seus rizomas costumam produzir novos colmos e ainda outros rizomas nos três primeiros anos de sua floração. Em campos abertos é possível que ele cresça em alturas de até 20 metros em linha reta, vivendo em média 12 anos.

Diversos exemplares poderão ser também curvilíneos que podemos encontrar á venda e são curvados pelas mãos humanas ainda novos para efeitos estéticos, e seus brotos servem para alimentação na culinária oriental.

Como Adubar seu Jardim

Adubo plantaNenhum jardim sobrevive sem cuidado. A própria instalação de um jardim está associada ao seu cuidado e muitas vezes já faz parte dos planos de quem o imagina, desde o início. Na verdade muitas pessoas já instalam seu jardim na casa pensando que a manutenção desse as ajudará a superar o stress e a ganhar paciência e calma durante o dia corrido, ou mesmo descansar a mente depois de tarefas pesadas. Mas não só de vontade vive um jardim, É preciso que você saiba como cuidar e como preparar seu jardim corretamente, para que ele esteja sempre presente e deslumbrante na sua casa, trazendo tranquilidade para a sua vida e beleza para todos aqueles que visitam a sua casa. O mais importante para o seu pequeno santuário será o adubo. As técnicas para adubar o seu jardim são simples e se seguidas corretamente serão responsáveis pela manutenção de toda a vida nele contida.

 

Principais dicas

A primeira pergunta mais comum que podemos pensar na hora de comprar ou adquirir o seu adubo é se devemos trazer o adubo orgânico ou o químico, e em quais casos cada um será o  ais indicado. Na verdade, uma pequena horta ou um pequeno jardim pode com certeza sobreviver somente com adubos orgânicos, que conseguem suprir as necessidades de nutrientes para a terra onde os vegetais estão alocados. Mas para maiores quantidades de plantas, pode ser utilizado o adubo químico. Para aqueles que moram no interior ou próximo a áreas agrícolas, há a opção de solicitar em algumas fazendas ou sítios o chamado composto orgânico, uma composição que leva elementos naturais e parte de adubo químico. Isso porque os criadores de gado recolhem diariamente uma grande quantidade de excrementos dos animais, e transforma isso em lucro adicionando resto de alimentos, fósforo e alguns compostos químicos ao adubo, transformando-o na melhor opção para quem deseja ver suas plantas crescendo como nunca. Se comprado em grande quantidade, esse composto ainda se torna a opção mais barata.

A falta ou o excesso de adubo pode ser prejudicial ao seu jardim. Por isso, tente manter uma constância na administração do adubo, mas não exagere na dose. A quantidade de adubo depende do tipo de planta que você estiver cultivando, e uma média geral de dez litros por metro quadrado de composto orgânico são suficientes para o solo da maioria das plantas. O uso do forcado ou sapatilha também é importante no método de adubagem do seu solo. Isso porque o adubo deve penetrar no solo para que possa ser absorvido pela raiz das plantas, e em muitas regiões é comum o vento ou a chuva excessiva levar todo o seu precioso adubo para longe. Geralmente,  onde você compra o adubo essas opções de ferramentas, bem como algumas instruções valiosas do vendedor estão disponíveis. Contudo, nunca deixe de ler a embalagem do adubo e seguir à risca as quantidades e fórmulas propostas pelos fabricantes, sendo que a negligências dessas orientações pode muitas vezes custar a vida das suas plantinhas.

 

Orientações especiais

Algumas regras são fixas e devem ser seguidas sempre. Uma delas é que seu jardim deve receber adubo a partir do mês de agosto, época ideal para que você comece um trabalho com as suas plantinhas e elas possam iniciar um desenvolvimento saudável. No inverno, o metabolismo nas plantas é diminuído e elas estão em um certo estado de dormência, e por isso nessa época não devemos adubar nosso solo. Se o adubo for químico, poderá queimar as plantas. A poda também segue um ritmo parecido com o ciclo do adubo, devendo ser iniciada na última lua minguante de agosto. Quando à prática de regar suas plantas, procure horários entre seis e dez da manhã, e quatro e seis da tarde, para evitar a queima das folhas ou a proliferação de fungos nas plantas.

 

Tudo sobre a Planta Agave

Existem na natureza aproximadamente 300 espécies de agaves, esta que é uma planta nativa genuinamente crescente no México e nos estados que circundam a região podendo chegar até a Califórnia. É possível ainda se encontrar diversos espécimes em regiões como nas Antilhas, às Baamas e à Venezuela. E ainda muitas delas podem ser aproveitadas como plantas têxteis. Este é o caso do sisal, que é cultivado em grandes plantações no México e também em outras zonas limítrofes.

Este nome é derivado do porto de Sisal, que fica na região da península de Iucatã no México, onde foram pela primeira vez exportadas as fibras desta planta. Suas folhas carnudas e ainda bem desenvolvidas, são cortadas através de sua base para que se tenham fibras que podem atravessar as folhas em todo o seu comprimento.

Estas fibras devem ser extraídas destas folhas através de um processo de raspagem nas máquinas especiais e ainda são separadas da chamada mucilagem que as envolve através de uma série de repetições com água. São muito fortes, brancas ou também amarelas e podem chegar a ter um tamanho equivalente a 1,5 metros de comprimento. Elas são utilizadas nas confecções de tecidos grosseiros, esteiras e também esteiras e sacos em cordoaria.

Existem em países da América do Sul diversas espécies de agaves, como a agave atrovirens, Karwinski ex Salm-Dick onde é aproveitada de outra forma a gema central da planta, que é cortada e dela é extraído um líquido açucarado que se pode beber imediatamente ou deixar fermentar para que se tenham bebidas alcoólicas, como o pulque doce, uma bebida doce e espumosa, ou também a chamada Tequila, que é uma bebida bastante conhecida e tem altos teores alcoólicos.

O chamado pulque de vinho, ou vinho de agave, é uma bebida considerada nacional para os mexicanos, o que substitui na culinária o vinho e também a cerveja. É possível se ter por um processo de destilação uma aguardente especial, a tequila que também é a chamada aguardente de maguey.

As longevidades das agaves é considerada uma lenda. E se diz que apenas deverá florescer quando alcançam um equivalente a 100 anos de idade, e ainda podem morrer imediatamente depois da floração, as agaves poderão viver apenas de 8 a 10 anos e em alguns casos poderão ficar um pouco mais.

Qual a Diferença entre Plantas Ornamentais e Plantas Comuns?

As plantas ornamentais têm como principal característica seu cultivo, que diferentemente de outros tipos de plantas é feito exclusivamente por questões estéticas, ou seja, ela é apenas cultivada pela sua beleza.

O cultivo acontece visando principalmente fatores que são usados como decoração de ambientes, principalmente cores exóticas e bonitas que possuem alguns tipos de flores, também são cultivadas como ornamentais flores que possuem um aroma agradável, ou até mesmo um tipo de folhagem mais bonito e como o próprio nome já diz, ornamental. Após vários estudos sobre esse tipo de planta, conseguiram afirmar que a indícios de cultivo de plantas ornamentas desde o inicio da humanidade, é esse processo de cultivo que nos traz algumas espécies que sobreviveram até hoje em dia, como é o caso do lírio branco, que vem sendo cultivado como planta ornamental durante vários anos.

Hoje em dia o mercado de plantas ornamentais movimenta milhões de reais por ano, tudo isso se deve pelo fato de que esse tipo de “decoração” ainda é muito usado em vários ambientes e praticamente não vai deixar de existir. Existem hoje várias fazendas e lugares onde a especialidade é cultivar esse tipo de planta, de uma forma adequada. Também é possível encontrar nos dias de hoje plantas modificadas geneticamente, para combinar vários fatores que deixam espécies bonitas em um só exemplar, essas técnicas genéticas também vem ganhando muita força no mercado brasileiro, já que as pesquisas estão cada vez mais presentes em todos os ramos de cultivos.

Há vários exemplos de plantas ornamentais no nosso dia-a-dia, muitas delas nem sempre são vistas como flores cultivadas de uma forma especial apenas pela sua beleza, como é o caso das famosas rosas, que foram umas das principais flores que fizeram sucesso no nosso mercado. Além delas existem várias outras, como bromélias e as famosas orquídeas, que dependendo do modelo chegam a custar muito dinheiro, principalmente espécies mais raras, que sempre atraem o olhar de vários colecionadores no mundo inteiro. As plantas ornamentais são plantas que apesar de presentes na nossa vida, sempre exigem um tratamento em especial.

Como Transplantar Árvores e Palmeiras

Uma árvore ou palmeira quando está enraizada em viveiro ou em qualquer local que possa ocasionar certo tipo de problema, precisa ser removida. Não serão destruídas, obviamente. Mas para serem plantadas em outro local, elas sofrem o que atualmente os paisagistas e biólogos chamam de transplante. Trata-se de um processo de remoção da árvore ou palmeira, que em geral já não está em proporções adequadas para se viver ali. Comumente, as remoções são feitas por empresas de paisagismo, mas as prefeituras têm se valido muito do procedimento, uma vez que algumas árvores centenárias precisam ser removidas de ruas e calçadas.

As plantas que precisam ser removidas de seus locais de origem, em particular, são as que possuem o chamado tamanho padrão adulto. Estas estão entre 1,5 metros a 2,5 metros de altura, e já não são convenientes para serem mantidas em viveiros, pois ocupam espaço de várias outras menores e que poderiam estar sendo cultivadas no local.  Árvores nessas situações são interessantes de serem adquiridas apenas por construtoras que trabalham com grandes empreendimentos, uma vez que podem ser removidas com cuidado e transplantadas em local sadio, onde receberão os devidos cuidados até que enraízem novamente. O custo também costuma ser relativamente baixo, em relação ao proposto pelo mercado de mudas novas. O que torna o negócio atraente.

As mudas que estão em tamanho padrão são jovens e não possuem ainda os 1,5 metros. Estão em fase de crescimento e apresentam grandes chances de sobreviverem. O sistema radicular é menor, por isso o torrão apresenta também um peso menor, o que torna mais fácil o replantio ou remoção e transporte.

Entretanto, muitas pessoas são contra o transplante de árvores de grande porte, porque os custos costumam ser bastante elevados. Além disso, o procedimento exige uma demanda de trabalho: logística e transporte sofisticados, que oneram os cofres públicos. E nem sempre as árvores transplantadas sobrevivem no local onde são colocadas. Isto se deve ao fato de elas já estarem acostumadas a terra onde viviam, bem como a quantidade de luz solar recebida, e nutrientes que eram extraídos do solo.

Embora o projeto seja polêmico, ajuda na preservação do verde em cidades grandes, por exemplo. Em São Paulo, há mais quedas de árvores antigas, que poderiam ser removidas de seus locais de origem e serem transplantadas do que em áreas totalmente verdes. Remover as árvores pouparia inúmeros outros gastos da prefeitura.

Árvores Frutíferas: Seriguela, Como Plantar e Cuidar

Conheça a árvore frutífera seriguela.

A árvore Seriguela nada mais é do que uma árvore de forma decídua e frutífera, que faz parte da mesma família do caju. Vem de origem das regiões tropicais das Américas e acabou se tornando muito conhecida em várias partes do mundo.

É uma árvore de porte pequeno que normalmente não ultrapassa sete metros de altura. As suas folhas caem durante os períodos de seca mas a árvore acaba ficando sem folhas por pouco tempo já que em seguida ocorre uma nova floração.

Sobre a floração da Seriguela

A floração da Seriguela acontece sempre na primavera e as suas flores são bastante pequenas e ainda hermafroditas, de coloração rosa, vermelha ou ainda roxa ficando reunidas em panículas. Toda a frutificação acaba começando no final da primavera e a colheita acaba se estendendo por todo o período de verão. Os frutos são considerados como uma drupa de cascas finas, brilhantes e ainda cores alaranjadas e avermelhadas. A sua polpa é totalmente amarela, aromática, bastante doce e suculenta, com uma semente grande e do tamanho equivalente a uma azeitona. Os seus frutos são bastante atrativos para a fauna silvestre e tem importância considerável no mercado.

Como é feito o cultivo desta planta?

Esta é uma planta que deverá ser cultivada através de sol pleno ou ainda por meia sombra, ela se adapta bem em solos que são mais pobres, mas é importante se preferir os mais ricos e ainda profundos, com isto é possível se irrigar de forma regular no primeiro ano a sua implantação. Esta é uma planta que é bastante resistente a estiagem, além disto ela não tolera o frio. Dificilmente existe uma multiplicação da planta por sementes sendo assim mais comum que ocorra a estaquia dos ramos. É interessante observar que na estaquia os ramos devam ter em torno de 30 a 50 cm e devam ser plantados em ângulos de pelo menos 45 graus no começo dos períodos de chuvas. Todas as covas dos plantios deverão ser preparadas corretamente com um esterco curtido e também quantidades de calcário. A planta começa a sua produção dos frutos apenas depois de três ou quatro anos de seu plantio.

Ideias para Fazer um Jardim

Ao cultivar um jardim, a primeira coisa que precisamos é do espaço ideal para o cultivo. Independente do espaço disponível em casa, os elementos básicos são luz, temperatura e regas, com estes garantidos, o local a ser cultivado o jardim pode ser improvisado ou estruturado de modo derivado.

Canteiros são próprios para o cultivo em casas que possuem terreno, sendo este extenso ou não, há a possibilidade de poder improvisar um canteiro ou cultivar o jardim a partir de vasos, há também a opção de cultivar seu jardim ao redor da casa ou simplesmente na entrada, da mesma forma, canteiro ou vaso.

Garantindo um solo saudável e banhos de sol nas plantas, regas freqüentes de acordo com a necessidade da planta, e alguns materiais orgânicos garantindo o fortalecimento dela, é possível cultivar as plantas em diversos locais da casa. Se morar em apartamento for um empecilho para o cultivo de um lindo jardim, é possível optar pelo cultivo vertical, que proporciona versatilidade no momento de escolher o local.

Os quadros vivos evitam os vazamentos, e com a utilização de buchas e parafusos, o quadro pode ser instalado em uma parede próximo a janela para obter a iluminação natural e proporciona um efeito estético muito bonito.

Os vasos meia lua, têm o beneficio de proporcionar a variedade das plantas, pois cada uma vai ocupar espaço individual nos vasos, podem ser organizados de acordo com a preferência, seja por cores, tipos e folhagens.

Vasos de coco são feitos de fibra de coco reciclados, são resistentes, duradouros e remetem a decoração tropical, possuem validade dependendo do tipo de planta cultivado nele, devido à quantidade de regas.

Não só apartamentos são empecilhos para o cultivo de jardins, casas de fundos ou de vilas, que não possuem quintal, podem parecer um problema ao cultivar um jardim por falta de espaço ou de dinheiro em adquirir vasos e quadros para o cultivo. As garrafas PET exigem um leve corte artesanal em sua lateral para receber a planta, o adubo e as regas e, barbantes para serem pendurados como improviso no jardim vertical.

Plantas Suculentas

As plantas suculentas são aquelas que armazenam água na raiz, no talo ou nas folhas, em quantidade maior que nas plantas normais. Isso permite que elas possam fazer um estoque de líquidos por períodos mais prolongados, se adaptando facilmente a climas mais áridos e secos. Para que elas possam se adaptar muitas das suculentas apresentam o corpo coberto de pelos com o fim de reter o orvalho da manhã. Elas ainda tem a capacidade de reduzir suas ramificações e seus prolongamentos, evitando perda de líquidos pela evaporação. Existem milhares de tipos de plantas suculentas, algumas podem servira para a ornamentação, e é uma ótima pedida para se ter em casa. As suculentas são lindas e super fofas, são várias formas e cores e é impossível não se apaixona por elas! Apesar de elas parecerem fortes, para se adaptarem as nossas casas temos que ter muito cuidado, a seguir algumas dicas de como ter plantas ornamentais suculentas em casa.

 

Para plantar

-Use vasos de plástico ou de cerâmica, de preferencia o de cerâmica que absorve mais a água.

-Plante da seguinte maneira: coloque uma parte de terra vegetal na base, 2 partes de areia grossa,  1 de terra vermelha, 1 de húmus, mais uma de areia grossa e 1 de carvão vegetal.

 

Para regar:

-Regue uma vez por semana no verão e uma vez a cada quinze dias no inverno, não molhe as folhas.

 

Expor ao sol:

-Deixe seus vasinhos ao sol, suculentas que não tomam a quantidade de sol adequada tendem a ficarem pálidas e apodrecer, por isso mesmo em ambientes fechados mantenha-as peto das janelas. As suculentas precisam de no mínimo quatro horas de sol diárias.

 

Cuidados com as suculentas em vasos:

-Certifique-se de que as raízes tem espaço suficiente para se desenvolver.

-Você pode sim colocar várias espécies de suculentas em um mesmo vaso, desde que junte apenas plantas que possuam as mesmas necessidades em relação a água, solo e sol. Tenha cuidado em relação ao tamanho que a planta pode atingir, de modo que elas tenham mais ou menos o mesmo tamanho, afim de não proferir sombra sobre as demais, prejudicando o desenvolvimento alheio.

Qual Planta pro meu Jardim?

Como escolher as plantas certas de um jardim para o clima de sua região

Ao cultivar um jardim, deve estar atenta a dedicação que será empregada no antes e no durante o cultivo, o depois se torna somente manutenção de baixo fluxo, o maior trabalho e ansiedade esta no inicio.

É necessário conhecer muito o local de cultivo, ponderando critérios como, quantidade de exposição ao sol que aquele local recebe os horários das sombras, o tipo de solo daquele local, se o local é próximo a um muro, o mesmo fica úmido durante o inverno? Passagem de vento constante ou não, etc; Cada planta possui um aspecto de adaptação, respeitar os limites das plantas é essencial para um bom desenvolvimento, se o local onde vive for um local de temperaturas altas, aberto e sem vento, com água em abundancia, palmeiras seriam ideais para cultivo, se optar pelas plantar de médio porte, arbustos como azaléias e jasmins são boas opções, se quiser, cultive pingo de ouro para cobrir a terra substituindo a grama, ou quares minha.

 

Locais adequados

Locais sob a proteção freqüente de sombras, levemente fechados e com água em abundancia, são sugeridos a arvore da felicidade, se o local não comporta uma arvore, opte por costelas de adão e lírio da paz.

Lugares praianos exigem plantas com folhagens duras e resistentes, dentre as mais conhecidas, cactos, a gáveas e babosas preenchem esses critérios e trazem o ambiente rústico do agreste.

As bromélias se tornaram vilãs pelo acumulo de água que propaga o mosquito da dengue, porém, impurezas como fumo de rolo colocado nos copinhos da planta evita a proliferação do mosquito naquela água e não agride a planta.

Se não quiser ter o trabalho de se preocupar com tantos detalhes, opte por um jardim em vasos, ele se locomove à medida de sua necessidade, se precisam de sol, chuva, umidade ou vento, basta trocá-los freqüentemente de lugar, de acordo com seus banhos de sol e quantidade de regas por estação do ano. A única preocupação com o jardim em vasos, será se as cores dos vasos combinam com a coloração da planta que o ocupa, colocá-los todos juntos remete a mesma coloração de um jardim em canteiro, com o toque de cores que os vasos preenchem.

O que São Ervas Daninhas?

O que são e como evitar ervas daninhas em suas plantas ornamentais?

Como podemos perceber atualmente a maioria das pessoas estão querendo trazer a natureza para mais próximo de sua residência, isso acontece porque a natureza está cada vez mais distante das pessoas, pois é somente um grande conglomerado de cimento e até mesmo as árvores estão perdendo espaço. Justamente por isso muitas pessoas criam jardins em sua residência ou acabam optando por deixar vasos de flores dentro de sua residência, e uma das plantas muito procurados são as plantas ornamentais que além de serem muito simples de cuidar também oferecem uma beleza diferenciada.

 

Ervas Daninhas – O que é?

Mesmo sendo uma planta muito comum de se cultivas as plantas ornamentais sofrem bastante com as ervas daninhas, principalmente se for colocada em um jardim, no caso de vasos é muito difícil de aparecer uma erva daninha. Em todo caso as pessoas devem estar cientes de que nem sempre a erva daninha faz mal a planta, porém é algo diferente e toda planta diferente que nasce junto com as plantas ornamentais são denominadas de ervas daninhas.

Como dito acima as ervas daninhas nem sempre oferecem risco as plantas e no caso de vasos é muito difícil uma erva daninha aparecer, porém no caso de jardins é algo bastante comum, nesse caso é necessário combater as mesmas. Porém antes de começar sair arrancando todas as plantas que nascem, procure saber sobre o que se trata, também procure ficar sempre atento a seu jardim, visando dessa forma não deixar que as ervas daninhas tomem conta, pois caso tomem isso pode se tornar um grande problema, pois uma erva daninha pode ser arrancada manualmente, agora várias requer alguns meios mais drásticos.

Como evitar?

Na realidade não existe um método eficaz para evitar as ervas daninhas, o que você pode fazer é estar sempre olho para saber se não está nascendo nada próximo as plantas ornamentais. Porém as plantas ornamentais costumam ser bastante resistentes, por isso é necessário apenas tomar alguns cuidados para que as mesmas não sejam afetadas.